VISITANTE QUERIDO(A)


Recados Online

BEM VINDO(A)

OUÇA MÚSICAS DIVINAIS EM...

OUÇA MÚSICAS DIVINAIS EM...
RÁDIO GOSPEL GRANDES LAGOS

RÁDIO GOSPEL GRANDES LAGOS

Mostrando postagens com marcador Estudo. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Estudo. Mostrar todas as postagens

9/30/2014

ESTUDOS EM GÊNESIS: VERSÍCULO POR VERSÍCULO


            AUTOR: PR FLÁVIO DA CUNHA GUIMARÃES

          INTRODUÇÃO:
         O nosso propósito neste estudo não é discutirmos teorias tais como “Big Bang”, BIG = Grande, BANG = Explosão/estrondo. Portanto, Big Bang quer dizer um Grande Estrondo, teoria criada em 1927 pelo padre e cosmólogo belga Georges Lemaître (1894-1966), (http://agrandeexplosao.blogspot.com.br/, consultado em 30/09/2014), o que continua teoria, pois a ciência ainda não pode dar o status de lei como foi dado há tantas outras leis que não é preciso citá-las aqui. Nem queremos discutir o “evolucionismo” como defende Charles Darwin e que tem os seus discípulos, e, em grande quantidade, principalmente dentro das universidades, pois as ciências, principalmente a Biologia, a filosofia e a arqueologia nada tem provado contra a criacionismo, porque não há um consenso entre elas nem mesmo entre os cientistas, pois discordam em pontos cruciais, visto que quanto mais a ciência, através da arqueologia tenta desmascarar a Bíblia, mais se tem comprovado-a em seus relatos. Como vemos as descobertas a seguir:
                            O professor Shlomo Bunimovitz e o doutor Zvi Lederman, da Universidade de Tel Aviv, coordenam uma equipe que está escavando o “tel” de Beit Shemesh, nos colinas da Judeia, próximo a Jerusalém. Eles encontraram um pequeno “selo” de pedra circular, com menos de uma polegada de diâmetro, que retrata um homem com cabelo comprido lutando contra uma figura felina. O artefato foi encontrado perto do rio Sorekm, que servia como a antiga fronteira entre Israel e os territórios filisteus. A datação aponta para o século 11 a.C., o que coincide com a data bíblica onde governavam os “juízes”, um dos quais era Sansão, de acordo com a Bíblia, Fonte de: (http://www.ufrgs.br/nuparq/news/descobertas-novas-evidencias-arqueologicas-sobre-sansao, (2014), extraído em 30/09/2014).

          Como a inscrição que confirma o reino do rei Davi entre tantas outras. É só acessar o link que segue: (http://noticias.gospelmais.com.br/10-maiores-descobertas-arqueologia-biblica-2012-48227.html).
         O nosso objetivo é deixar que a Bíblia fale por si mesma. Por isso que estudaremos versículo por versículo, e, em alguns casos, palavra por palavra.

         NO PRINCÍPIO I: (Gen. 1:1) Diz: “No princípio criou Deus os céus e a terra”
         A interpretação de (Gênesis 1) não é fácil, pois há Várias correntes interpretativas que são:

         “Interpretações não-literais”
        Estudiosos consideram que Gênesis, capítulo 1, não passa de um mito. Outros o consideram como uma poesia. Alguns o considera como simbologia. Mas os teólogos sérios, fundamentalistas e tradicionais o considera como a base para a teologia bíblica.
         “Interpretações Literais”
       Mesmo entre os que aceitam o relato da criação como literal, também diferem em suas abordagens sobre a cosmogonia bíblica de Gênesis Capítulo 1. (Cosmogonia é uma palavra grega composta – cosmos = universo, gonia = nascimento), portanto, significa: O nascimento, o início, a criação do universo.

         “Teoria de um intervalo ativo”
        É reconhecida também como a teoria de reina-restauração. (Gên. 1:1) descreve a criação original pelo o SENHOR, perfeita, em um tempo desconhecido em que pode ser milhões ou bilhões de anos. Satanás como o regente deste mundo, rebelou-se contra Deus, (Is. 14:12-17), o pecado entrou no universo, Deus o condenou e reduziu o mundo ao estado de arruinado e caótico como descreve, (Gên. 1:2). Os que defendem esta interpretação, traduzem, (Gên. 1:2), como a terra tornou-se sem forma e vazia. Extraído de: http://setimodia.wordpress.com/2010/03/09/no-principio-como-interpretar-genesis1/, em 14/11/2013.
         O que Antônio Neves de Mesquita, (1979), admite que houve um intervalo entre o (V.1) e o (V.2), mas não por ação de Satanás. Quem pensar desta maneira é dar moral de mais para o Diabo, conclui ele.

         “Teoria de uma criação prévia”
        Os defensores desta teoria usam os termos hebraicos, (הֹּהרּ - Tohu, HARRIS, 2008, P. 1628), “sem forma” e (בֹּחוּ - bõhû, HARRIS, 2008, P. 152), “vazia”, que a terra era sem forma e sem conteúdo. Que a matéria estava sem forma e impura. Que o texto se refere a um estado anterior da Criação que a Bíblia menciona. Extraído de: http://setimodia.wordpress.com/2010/03/09/no-principio-como-interpretar-genesis1/, em 14/11/2013.

         “Teoria de um estado inicial sem forma e vazio”
        Deus criou a matéria sem forma e vazia, para depois agir dando forma ao que criara. Para alguns esta interpretação, os (V.1-2), fazem parte do primeiro dia de uma semana de sete dias. Seria a interpretação sem intervalo. Mas os que veem os (V.1-2) como uma unidade cronológica em que separa o tempo do primeiro dia da criação descrito no (V. 3).

         As interpretações mais sérias e convincentes apontam para a interpretação literal. A descrição de (Gênesis capítulos de 1 a 11), descrevem a intenção do escritor em narrar de maneira literal. O livro de Gênesis é planejado pelo termo descendentes e gerações que no (hebraico é תּוּׅלֵדוּׅח – TÔLĒDÔT, HARRIS, P. 618), para relacionar cada seção que aparece (13 vezes). Este termo é usado para conexão com as genealogias que tem a ver com relatos exatos de tempo e história. O termo (tôledôt) usado em (Gên. 2:4) mostra que o autor de Gênesis pretendia que a narrativa da Criação fosse literal como o resto das narrativas do livro. Todos os escritores do Novo Testamento se referem a (Gênesis capítulos de 1-11) como sendo uma história real. Bem como o hebraico usa termos para falar de coisas reais e concretas.

Você poderá gostar também de: http://barnabelas.blogspot.com.br/ - Barnabelas!

Bibliografia:

1 - HARRIS, R. Laird; Gleason L. Archer Junior e Bruce K. Waltke. Dicionário Internacional de Teologia do Antigo Testamento. Tradução de Márcio Loureiro Redondo; Luiz A. T. Sayão e Carlos Osvaldo C. Pinto. 2008, Ed. Vida Nova, São Paulo, 1789 p.

2 - Bíblia Vida Nova. Traduzida por João Ferreira de Almeida. Editora: S. R. Edições Vida Nova, 2ª Ed. 1978, São Paulo, A T 829 P.

3 - OLIVEIRA, Marcelo Ribeiro de. Bíblia Sagrada Versão Digital 6.7 Freewere, marcelo@blasterbit.com
4 – MESQUITA, Antônio Neves de. Estudo no Livro de Gênesis. 4ª Edição. Rio de Janeiro. Editora JUERP, 1979, 308 P.